Textos



Tudo o que eu podia ser

Fui tão só em parte...

Nem alegria, nem desastre...

Água morna que o vento bate.


Olhando para frente, vejo nada

O nada em que o universo se expande...

Grão de areia microscópico rezo...

Fé que não me sacia nem prezo.


Eu bem que podia ser alguém

Com alma cravejada de diamantes...

Restou-me a hipocrisia doente

De ser ridículo entre as gentes.


Fosse eu rei, serena majestade


Meu reino não me traria alegrias...

O poder me queimaria a pele

E minha alma em pó se desfaria.


O certo é que não há solução

Para o drama que me propus ao nascimento...

Ser, a um só tempo, homem e fermento,

Das dores em que lanço meu lamento.






alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 07/05/2008
Alterado em 10/05/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários