Textos



1. Surge o Faroeste Italiano.

Corria o ano de 1964 quando surge aquele que é considerado, regra geral, como o primeiro filme do faroeste italiano. Trata-se de Por um Punhado de Dólares (Per um pugno di Dolari) dirigido por Sergio Leone, que seria o nome mais representativo dentre os muitos diretores deste longo ciclo.

No entanto, aqui indagar se Por um Punhado de Dólares realmente merece ostentar este caráter de pioneirismo dentro do gênero do faroeste italiano, ao menos sob o ponto de vista da cronologia de produção e de lançamento para o público.

O ano de 1964, realmente, marca as primeiras produções que deflagram o ciclo do faroeste italiano, ainda poucas em número. Além de Por um Punhado de Dólares, em 1964 foram produzidos os filmes Uomo Della Valle Maledetta, L’, dirigido por Siro Marcellini e Primo Zeglio, Pistole non Discutono, Le, dirigido por Mario Caiano, Jim Il Primo, de Sergio Bergonzelli, Due Violenti, I, de Primo Zeglio, Strada per Fort Álamo, La, de Mario Bava e Per um Dollaro a Tucson si Muore, de Cesare Canevari.

O famoso filme de Sérgio Leone não foi o primeiro representante do gênero a ser lançado comercialmente. O filme Uomo Della Valle Maledetta, L’ o antecedeu em alguns meses, tendo sido lançado na Itália em 22 de maio de 1964, o que desfaz essa certeza absoluta quanto ao pioneirismo de Por um Punhado de Dólares.

 
Com efeito, o filme de Leone teve sua primeira exibição pública na cidade de Florença em 27 de agosto de 1964, logo, mais de três meses depois de Uomo Della Valle Maledetta, L’ ao passo que dos demais filmes o que teve lançamento mais próximo foi Pistole non Discutono, Le que surge nas telas em 23 de outubro de 1964.
 
Isto não significa dizer que em período anterior a 1964, a Itália não tivesse produzido faroestes. Como já abordado, existia na Europa desde o início dos anos sessenta o advento de faroestes europeus. No entanto, e embora cronologicamente Por um Punhado de Dólares efetivamente não detenha a primazia de lançamento, seu marco de importância está em ser o filme que deflagrou um ciclo cinematográfico, com linguagem, temática, recursos, signos e abordagens próprias, que veio a ser reconhecido pelos nomes de western spaghetti, bang – bang à italiana ou faroeste italiano.


2. Por um Punhado de Dólares. Anatomia de um filme.


Por um Punhado de Dólares ressalta de importância quando se observa a sua ficha técnica, ou seja, a equipe de atores, diretor e técnicos envolvidos em sua realização. Seu diretor, Sergio Leone, é o criador por excelência do gênero, seu mais importante diretor, embora neste particular a crítica sempre favorável a Leone – e com razão – tenha se esquecido de notar o excelente trabalho desenvolvido por outros diretores, que, assim, acabaram relegados a um plano inferior de consideração, quando não inteiramente desprezados.

Mas a ficha técnica de Por um Punhado de Dólares impressiona. Além de Sergio Leone, participaram do roteiro Duccio Tessari ( diretor de Uma Pistola para Ringo (Pistola per Ringo, Una, de 1966, que lançou ao estrelato Giuliano Gemma) e a estupenda trilha sonora é posta nas mãos de uma das figuras mais importantes – até mesmo fundamental – do faroeste italiano, o maestro Ennio Morricone.

Para completar, o filme tem como ator principal um até então obscuro ator americano chamado Clint Eastwood. É justamente este ator – Eastwood tinha 34 anos quando fez o filme – que vai desenvolver uma simbiose perfeita com Leone ao longo dos filmes em que participaram juntos, estabelecendo um padrão decisivo na caracterização do ciclo.

 
Eastwood é sempre o ‘estranho’ ou então ‘o pistoleiro sem nome’, um sujeito calado, misterioso, sem passado, que surge na história como um elemento deflagrador das situações de conflito propostas pela narrativa. É bem verdade que a idéia do ‘pistoleiro sem nome’ não é tão exata como pode parecer à primeira vista. Em Por um Punhado de Dólares, por exemplo, o personagem de Eastwood tem um nome, e o mais simples possível: Joe.

O diferencial, no entanto, está na forma de construção do personagem. Se nos faroestes americanos o herói era invariavelmente alguém com uma identidade definida e uma posição social clara e inequívoca – xerifes, oficiais da cavalaria, fazendeiros etc. – nos filmes de Leone esta identificação se diluía a tal ponto que se tornava elemento desprezível na percepção do personagem. Para Leone, o seu herói – ou anti-herói, para os que preferem esta definição – não passava de uma força humana posta em ação sob influências diversas. A sua ação e reação não se vinculava a qualquer definição prévia. Eram homens hábeis no manejo das armas, tentando viver e sobreviver em um ambiente invariavelmente hostil.

 
Este distanciamento do herói clássico do faroeste americano é proposto por Leone logo na primeira cena. Joe chega a um povoado esquecido no meio do nada e aproxima-se do poço para beber água. Ao fundo, em plano aberto, vê-se um pequeno garoto correndo entre os casebres. Logo, surge um sujeito grandalhão, ar típico de vilão, e começa a espancar o menino. E o que faz o nosso herói? Apenas observa, cinicamente, com um ar de distanciamento e neutralidade.

 
Interessante análise é feita pelo crítico Gilberto Silva Jr. (em artigo disponível no site www.contracampo.com.br/64/remapeandoooeste.htm), quando ressalta que no primeiro faroeste de Leone ao invés da figura altiva e imponente do caubói montado em um cavalo garboso, tornada costumeira pelo cinema americano o público é confrontado com um homem taciturno, vestindo um deselegante poncho, fumando um charuto vagabundo e cavalgando uma mula.
 
Por um Punhado de Dólares já apresenta os principais elementos norteadores do faroeste italiano. A começar pelo roteiro baseado no filme do mestre japonês Akira Kurosawa, Yojimbo, lançado em 1961. Sobre este ponto gerou-se um mal estar na época do lançamento, uma vez que nos créditos do filme não se faz qualquer alusão ao fato de que o roteiro seja baseado no trabalho de Kurosawa e nem é mencionado, sequer de passagem, o nome do cineasta japonês.

Mas a remissão a Yojimbo – filme em que um samurai serve, deslealmente, a dois senhores, em busca de vantagens – torna clara a proposta desmistificadora de Leone. Em Por um Punhado de Dólares não há espaço para heroísmos ou ações altruístas; Joe, o personagem de Eastwood, visa apenas o seu bem estar pessoal e, embora seja capaz de algumas ações elogiáveis – como quando salva a camponesa oprimida e seu filho pequeno das garras dos vilões – ele o faz única e exclusivamente para poder apossar-se de uma grande quantidade de ouro.

 
Por um Punhado de Dólares não apresenta cenas amorosas e românticas, tão caras a alguns faroestes norte-americanos, como, por exemplo, Duelo ao Sol (Duel in the Sun), de King Vidor, que retrata um turbulento triângulo amoroso no qual dois irmãos (Gregory Peck e Joseph Cotten) disputam a afeição de uma mesma moça (Jennifer Jones). Estabeleceu-se um padrão que irá, salvo poucas exceções, manter-se ao longo do faroeste italiano; os heróis não estão preocupados em salvar indefesas donzelas ou selar suas aventuras com um beijo na mocinha. Ao contrário, suas preocupações e estímulos são sempre outros, variando da vingança sangrenta àqueles que lhe fizeram algum mal ou simplesmente a obtenção de muito, muito dinheiro.

A transposição do roteiro de Kurosawa – com adaptações suficientes para afirmar o talento de Leone como artista criador – originalmente voltado para um Japão feudal e um tanto distante das referências ocidentais, ganha em Por um Punhado de Dólares outra dimensão.

Em primeiro lugar, Leone opta pelo faroeste para situar sua história cínica e amoral. Investe sobre um gênero tipicamente norte-americano e que havia servido durante décadas como um espelho das virtudes do povo americano, sua tenacidade, seu heroísmo, seu destino manifesto de grande nação. Mas o que o filme retrata é bem ao contrário; aqui não há lugar para auto-elogio, auto-indulgência ou proselitismo sócio-político. O cenário e a proposta de Leone evocam ruína, desagregação, violência e amoralidade absoluta.

 
O recurso a um personagem sem raízes e sem contexto permite uma maior liberdade de ação e desenvolvimento da narrativa, na medida em que as motivações e ações do personagem resultam mais livres, anárquicas e repletas de uma ironia mordaz, quase sempre ausente dos heróis do faroeste americano.

Portanto, vê-se em Por um Punhado de Dólares uma clara desmistificação da tradição do faroeste, ao relegar os valores anglo-saxões e protestantes típicos da produção americana e, de outro, uma proposta narrativa esteticamente mais livre – os personagens são feios, sujos, deselegantes – e ações dramáticas muito mais inesperadas do que se estava acostumado a ver em termos de faroeste.

Para o crítico e especialista em faroeste PRIMAGGIO MANTOVI, o personagem de Eastwood ‘nasceu do teatro nô japonês, passou pela ópera-bufa e terminou se assemelhando a Shane, personagem central do Western americano Os Brutos Também Amam. (in, Curiosidades do Western, Opera Graphic Editora, São Paulo, 2003, pág. 87).

Embora não concordemos com a identificação feita com o personagem Shane, vivido pelo ator Alan Ladd, no clássico de George Stevens, justamente porque Shane – embora um pistoleiro - retrata e sintetiza o ideal heróico dos personagens dos faroestes americanos, as observações de Mantovi demonstram a riqueza de influências na composição deste primeiro faroeste de Leone.

 

3. A Voz da Crítica.
A importância de Por um Punhado de Dólares como filme que deu início ao longo e prolífico ciclo do western spaghetti é indiscutível. No entanto, importante saber a visão da crítica sobre o filme enquanto exemplar cinematográfico.

James Berardinelli, crítico americano que diz não ser um apreciador de faroestes, qualquer que seja sua procedência, deu a Por um Punhado de Dólares cotação correspondente a 3 (três) estrelas – dentre o máximo de 5 (cinco) estrelas – anotando que:

A força maior de Por um Punhado de Dólares está baseada em seu estilo, não em seu roteiro.
(...)
O elemento que diferencia Por um Punhado de Dólares da maioria dos filmes que o antecederam é a sua visão seca, não romantizada do Velho Oeste. (...). Leone está muito mais voltado a enfatizar a sujeira e a aridez dos cenários do que a sua beleza. Seus personagens não são bons sujeitos e nem muito menos sujeitos bem vestidos.
(...)
Embora seja verdade que certos filmes ‘importantes’ revelam-se monótonos quando revistos, Por um Punhado de Dólares apresenta-se altamente apreciável com as suas eventuais falhas apenas atuando positivamente em sua capacidade de entreter. Sob diversos modos, não é um grande filme, mas introduziu temas, ângulos e personagens que serão refinados durante os anos próximos, quando a popularidade do western spaghetti se alastrar.
(Disponível em www.reelviews.net/movies/f/fistful.htlm ).


Marcelo Miranda apresenta um comentário que, embora não aprofunde uma visão crítica, oferece uma análise interessante do filme como elemento deflagrador do faroeste italiano:
 
“Apesar de muito bom, Por um Punhado de Dólares não seria o filme ideal para ‘conquistar’ novos adoradores de Sérgio Leone. Dentro de sua filmografia ‘pessoal’ (o que exclui seu primeiro longa, O Colosso de Rodes), é o menos espetacular. Baixo orçamento, poucos atores de expressão, o filme narra o conto de pistoleiro que chega a um vilarejo e arranca dinheiro de duas famílias rivais e dominadoras. Inspirado em Yojimbo, de Kurosawa, não ousa tanto quanto nos filmes posteriores, mas já dá idéia do que viria a seguir.Não ousa para os padrões atuais, na verdade. Porque o filme foi uma revolução dentro do faroeste. Numa época em que este gênero tipicamente americano começava a dar sinais de crise e cansaço, veio Leone, lá da Itália, mostrar a sua visão para o oeste dos EUA: pistoleiros sujos, amorais, só pensando em dinheiro e poder, sem perspectivas.”.
 

Em linhas gerais, as críticas selecionadas refletem bem a apreciação acerca deste filme. Não é, de modo algum, o melhor faroeste de Leone. Mas, por outro lado, tem a virtude de ser obra de vanguarda, que redesenha as linhas clássicas do gênero, mais que isso, subvertendo-as e que, ao fazê-lo, estabelece os padrões básicos do novo ciclo que se iniciaria sob o nome de western spaghetti.

Esta originalidade de proposta permitiu, portanto, um afastamento do padrão norte-americano e admitiu ao faroeste italiano uma liberdade temática ampla, com produções extremamente violentas (como Django, de Sérgio Corbucci) e filmes com forte apelo caricatural e cômico (como a série Trinity, estrelada por Terence Hill e Bud Spencer).



4. Sobre os Outros Filmes Pioneiros.

O ano de 1964 marca o surgimento do ciclo do western spaghetti. As atenções voltam-se quase que inteiramente para Por um Punhado de Dólares, filme sobre o qual encontram-se informações suficientes e que é apontado como o grande precursor do gênero. No entanto, como já sublinhado, durante o ano de 1964 o filme de Leone não foi o único faroeste a ser produzido dentro do ciclo, sendo que, quanto aos demais, pouco ou nenhum destaque é dado pelos estudiosos e comentaristas.

Aqui se buscará minimizar esta lacuna, já que os outros filmes apresentam características e peculiaridades interessantes e que merecem ser destacadas. Deste modo, comentaremos adiante cada um deles em separado.

De logo, deve-se dizer que nenhum dos outros faroestes italianos produzidos no ano de 1964 além de Por um Punhado de Dólares teve lançamento no Brasil, razão pela qual não apresentam título brasileiro e não é possível encontrá-los disponibilizados em DVD original ou em fitas VHS mesmo no exterior. Uma pena!


Vale iniciar estas breves análises pelo historicamente relevante Uomo della Valle Maledetta, L’, o primeiro faroeste italiano lançado no emblemático ano inicial do ciclo.

Dirigido por Siro Marcellini e Primo Zeglio (cujo nome não aparece nos créditos) tem à frente do elenco o ator americano Ty Hardin, que atuaria depois em mais alguns outros faroestes italianos. Assim como Eastwood, Hardin vinha de uma série de faroeste na televisão americana, intitulada Bronco, onde ele viveu o papel título nos anos de 1958 a 1962.

A história de Uomo della Valle Maledetta, L’ conta o ataque sofrido por uma jovem (vivida pela atriz de origem iraniana, Irán Evory) por três índios e que, depois de conseguir escapar, é encontrada vagando por Johnny Walscott (Hardin) que a protege e a conduz à segurança de uma missão localizada na cidade de El Paso. No processo, ambos sofrem novos ataques dos índios e o filme passa a abordar alguns aspectos sensíveis à época, como a questão dos casamentos inter-raciais.


No entanto, a temática e o estilo direcional imprimido ao filme, não o faz ser considerado como um típico exemplar do gênero faroeste italiano e talvez aí se justifique o consagrado pioneirismo de Por um Punhado de Doláres como obra inaugural do ciclo.

Não obstante, o filme obteve bom resultado de público, tendo sido visto por 1.581,786 (um milhão quinhentos e oitenta e um mil, setecentos e oitenta e seis) espectadores na Espanha.


Pistole non Discutono, Le foi dirigido por Mario Caiano, cineasta italiano que teve participação ativa ao longo de todo o ciclo do faroeste italiano, como será aprofundado mais adiante. O filme conta no elenco com o ator norte-americano Rod Cameron, veterano dos chamados faroeste B norte-americanos vivendo o xerife Pat Garrett.

A história do filme é simples. No dia do seu casamento, o xerife Pat Garrett é obrigado a deixar a cidade para prender dois assaltantes de banco, no caso, os irmãos Billy Clanton (vivido pelo ator alemão Horst Frank) e George Clanton (o ator espanhol Angel Aranda). O roteiro mistura, de forma curiosa, personagens reais da crônica do Oeste Americano (Pat Garrett e os irmãos Clanton, do famoso duelo do OK Corral), mas que, na realidade, jamais mantiveram qualquer contato. A trilha sonora também foi assinada por Ennio Morricone.

Pistole non Discutono, Le foi assistido por 1.212,259 (um milhão duzentos e doze mil duzentas e cinqüenta nove) espectadores na Espanha.


Jim Il Primo foi dirigido pelo ator e diretor Sergio Bergonzelli, e estrelado também por um ator americano, no caso, Cameron Mitchell. No filme, Mitchell vive um pistoleiro que decide abandonar as armas, mas que se vê obrigado a voltar a usá-las quando a cidade onde mora passa a ser aterrorizada por bandidos. Não existem informações sobre a bilheteria ou número de espectadores.

Due Violenti, I, dirigido por Primo Zeglio traz no elenco o americano Alan Scott, que desenvolveu sua inexpressiva carreira inteiramente na Europa, em filmes italianos e franceses e o espanhol George Martin, que foi presença em outros faroestes italianos ao longo do ciclo. Não há informações sobre a história deste filme, mas ele foi assistido na Espanha por 1.229,874 (um milhão duzentos e vinte e nove mil, oitocentos e setenta e quatro) espectadores.

Strada per Forte Álamo, com a direção do famoso cineasta e roteirista italiano Mario Bava, já então um veterano autor de filmes de horror (Maschera del Demônio, La, em 1960, considerado por muitos como a obra prima do terror italiano) e épicos (Hércules no Centro da Terra, de 1961) além de ter co-dirigido com Raoul Walsh em 1960 o mal sucedido Esther e o Rei (Esther and the King), traz à frente do elenco outro ator americano, Ken Clark, que em 1959 havia estrelado o filme de terror trash O Ataque das Lesmas Gigantes (Attack of the Giant Leeches).


O roteiro conta uma estória com boa premissa. Um cavaleiro solitário encontra um soldado moribundo, vítima de ataque de índios, que lhe entrega um papel autorizando o recebimento de $150.000,00 a favor do Exército Americano. O estranho reúne alguns comparsas e, disfarçados de soldados, sacam o dinheiro em um banco. No entanto, ocorre um tiroteio, quando eles são desmascarados, e uma velha mulher é atingida e morre. Depois de fugirem, os bandidos encontram-se com uma patrulha do Exército, mas ambos os lados tem que juntar forças contra um ataque dos índios.

Strada per Forte Alamo tem uma narrativa muito pouco inovadora com relação aos novos padrões que seriam introduzidos pelo ciclo. Trata-se de um dos exemplares do faroeste italiano mais vinculado à estética norte americana, o que empresta a feição de um filme que tenta parecer americano a todo custo, mas que, por outro lado, evidencia não o ser, quer pelo baixo orçamento envolvido, quer pelo estilo de interpretação dos atores.


Uma curiosidade sobre a ficha técnica deste filme é que nela figura como diretor de arte Demofilo Fidani (aqui sob o pseudônimo de Demos Philos). Fidani viria a ser um dos mais prolíficos diretores do gênero, muito embora a sua fama seja a de ter sido, também, o pior diretor do faroeste italiano, chegando a merecer o apelido

Per um Dollaro a Tucson si Muore é o filme com menor informação dentre os pioneiros do ciclo. Foi dirigido por Cesare Canevari, que também escreveu o roteiro e atuou como ator. Não conta com nenhum nome conhecido no elenco. No entanto, Canevari, que era italiano, dirigiu em 1970 um dos mais estranhos faroestes italianos de todo o ciclo – Mátalo! – disponível em DVD no Brasil. Mátalo! tem quase que o formato de uma neurótica opera rock, com estridente fundo musical quase todo o tempo, mas que apresenta características interessantes, como o realce dado na trama aos personagens femininos.

Percorrido o ano de 1964 – fixado como o primeiro do ciclo do western spaghetti – nos próximos capítulos abordaremos o desenvolvimento do ciclo ao longo dos anos, anotando as tendências, características e rumos adotados com o passar dos anos.













 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 25/01/2008
Alterado em 29/05/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários