Textos


Sábado mira o Domingo, bem à frente
com olhar de grão vizir arrogante,
proclamando-se Deus de todo repouso.

Domingo é dia contido, tem jeito de menino
que pelos pais por demais repreendido
não ousa cortejar a rebeldia de antanho.
Domingo, domingo, ouça o que predigo
antes que nada seja teu tamanho.

As ousadias da Segunda, que a tudo vê 
com notas de dinheiro entre as mãos...
fazendo ponto nas esquinas do dever ser...
é o exercício mais assente da prostituição.
Ah! Segunda, quem quiser que te beije
a boca de incontável perdição.

Os dias em minha mochila de andarilho
em meu caminhar a Compostela...
(nunca fui,  mas imagino da minha janela)
pululam como sapos em um espartilho...

Sabado, Domingo e Segunda 
ou como se chamem em qualquer linguajar...
a todos declarei minha augusta falência,
os dias passam e eu desisti de contar.

 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 20/10/2019
Alterado em 20/10/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários