Textos


Aos amigos nesta mesa do ontem e do hoje
(amanhã é história para profetas...)
dois baianos abrem alas para filosofia
e dois Areópagos reclamam a ansidedade 
das barrigas vazias (Por Deus! Mais de meio dia!).

Pois o tempo é tão somente uma esquina
e a esquina é o tudo que se avizinha
tempo como música, fluida, desembestada
sinfonia que não se sabe nem jamais é ensaiada...

Vamos adiante neste banquete de não evidências,
de amizade e breves decências que só os eleitos partilham
em um mundo de enganos e aparências inférteis
bom zanzar pelas estradas sem epílogos vulgares.

Outro drinque de benevolência, incandescente
nesta mesa em que somos unos e imaterialmente gente
ond eos sonhos não levados a sério se transformam
em gargalhadas de aracquinídea arquitetura
(Gaudi que nos salve da mesmice dos alumínios!).

E por cima de tudo o misterioso rito da Bahia...
Xangô tricotando justiça nos cantos onde a treva não sombreia
e um prato de efervescente moqueca, dividido
na luz, no sorriso, na Santa Ceia.

 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 19/08/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários