Textos


Eu a imagino...
em circunstâncias tantas e caminhos
mas tão só ela passa, resoluta
e a ideia aninhada levemente se esvazia.

Eu imagino desejos ardentes, a nos queimar
uma tarde ociosa em algum lugar, Itália
ancestralidade de almas entregues...
Mas ela, além das idades, segue o passo
a reta, o labirinto, o compasso...

Eu crio uma história e nela
ela seria a deusa da fecundidade
faria de mim o homem renascido
o homem sem aparente idade
mas ela apenas passa e em seu silêncio
imagino-a ainda mais presente.

Não será possível que eu intente
contra sua marmórea distância, a guerra
porque ela tão só passa e não espera
que em mim sossegue o que é fremente.

Vulto castigador este, e o castigo eu mesmo dito
nesta insanidade de ser poeta e não perceber
os limites com que a carne aferra o bendito
delírio de criar o que nunca se pode ter.  
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 19/07/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários