Textos


Quem me chama pelo nome, sabe suas letras
do seu som ressoando em paredes, memórias
e o repete, em goles de apurado espumante
quem sabe meu nome não supõe quem sou.

Eu mesmo não o digo; por acaso repetes a ti mesmo
o signo exato com que o padre o batizou?
Não, não há quem em livre consciência
exerça esta auto declamação circular, perda...
o teu nome é dos outros, das esquinas, dos lugares.

E quando é possuído pela luxúria da mulher amada
então deixa de ser teu e se deixa devorar pelo apetite
daquela deusa caprichosa e invulgar, que o domina...
e é na boca com que sonhas a impudica conquista
que teu nome, meu caro, naufraga e feliz termina.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 04/07/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários