Textos


Não me deixeis cair em armadilhas...
Que o tempo se desenrole, fugaz
tapete sob os pés das minhas descrenças...
Deixa-o ir, indômito, daqui àquele indefinível lugar...
Aqui farei amáveis coleiras para a felicidade
desenhando, com os lápis de cera da infância,
novas fontes e extraordinárias praças nas cidades
em que se arquitetou a lembrança dos enrijecidos ancestrais.


Os momentos são quanticamente infindos
mas, ainda assim, desdenhosos, tornam-se fumaça
pequenos mal-entendidos, elaboradas trapaças
nossos ponteiros e bichos de estimação.


Que eu não seja mero coadjuvante
da tragicomédia que alguém esboçou
desconhecendo-me como essência e redundância.


Ando tentando não cair em tentações, não provar
o vermelho da maça estigmatizada...
Meu pecado é meu descanso, onde repouso argumentos...
dispindo minha fé e meus inuteis compromissos...
Deixai-me livre das tentações de crer no que não sei
e faz-me livre, sêmen que semeia a Acádia,
amante recusado de Atena, mas homem,
ainda que forjado para ser anjo desmaiado. 

Crédito da imagem:  
https://vocaremarianos.wordpress.com/2011/09/23/provacao-ou-tentacao/
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 25/03/2019
Alterado em 25/03/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários