Textos


Foi um pato em Treviso quem me disse
depois de uma viagem em espumantes zonas...
que na Idade Média o amor tinha gosto de morango
e os corpos ansiavam pelas graças dos altares...

O pato me confessou ser ótimo ser pato
em plena época de divinas exortações...
Pois um pato é só um fato, não uma questão
não arrasta em si uma alma a ser conquistada
nem pode fazer votos de sombria submissão.

Só aos patos é dado amar...
aos homens tão só vadear...

O pato de Treviso piscou os olhinhos e foi embora
pelo canal tranquilo, rumo ao moinho
que ainda hoje roda, roda, indiferente às eras
e a filosofia da continuidade das águas dos rios...


Enfim para que filosofia nas terras de Itália?
Bem o sabe o arisco pato de Treviso...
que sendo antigo como as lembranças relembradas
é a cara da História sem delongas e sem mais nada.

 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 17/03/2019
Alterado em 05/08/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários