Textos


Tudo que cessa é morte (1), estamos mortos.
Cessamos de existir no espelho que nos unia,
quando duvidamos da imagem que nos refletia.
Não somos mais nada
talvez recordação apagada,
dessas que invocamos em surtos de alegria.

Agora, me pergunto: qual de nós morreu primeiro?
Queria saber para destilar este luto,
prantear o morto certo que se foi.
Saber se devo, agora, chorar por ti
e por mim somente depois?

Ou então nossa morte foi simultânea
rara comoriência, desastre naturais.
Pois sendo assim, morremos juntos
tua morte e a minha, entrelaçadas
como mãos eternamente enamoradas.

Tudo que cessa é morte,
cessamos, estamos mortos,
genéticamente sós.


* Poema escrito em 1997
(1) Verso de Fernando Pessoa

Crédito da imagem: https://aminoapps.com/c/potter-amino-em-portugues/page/blog/o-espelho-de-dois-sentidos/d76j_3etbuEK6akLMKgDwxVqdGgN1nEZNM
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 06/02/2019
Alterado em 06/02/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários