Textos


Feliz aquele que conta com a piedade
de quem o vigia
no verão solar ou na noite fria...
Ao menos logra o condenado
respirar em sua pena e agonia.

Das paredes da cela em suspenso
ecoam os passos do vigilante ser
e o derrotado, em grilhões atento
adivinha o proximo tento, o morrer.

Pois à morte de esperanças, o carcereiro
acostumado desde muito está a saber
que quando o preso enfim falece
ele também morre sem perceber.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 04/02/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários