Textos


Há lama em meus sapatos e eu
nem lembro da chuva...
Trago a lama intrusa para casa
conspurcação dos tapetes...
Mas ainda me resta uma casa a manchar!
A lama que resume o mundo lá fora
que grita ensandecida em meus ouvidos
a impureza dos meus sapatos e do próprio
ato de caminhar.

Eu quero desdizer a lama, quero proibir calamidades
descobrir em mim o mito desmentido, que não fabula
não constroí nem edifica possibilidades.


A lama em minhas solas não relembra, só desola
meu espírito exausto pelos vizinhos desmaiados...
A lasanha dessa sociedade morta e sem tempero
que não crê que em meus sapatos há lama
e em meu peito horrível e insanável desespero.

Crédito da imagem: 
http://memoria.oglobo.globo.com/jornalismo/primeiras-paginas/um-rastro-de-destruiccedilatildeo-1-18775560
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 30/01/2019
Alterado em 22/04/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários