Textos


Por que continua esta febre rebelde
de insistir no absurdo próximo?
Por que esta inquietude não cede
se de tudo que sei o que sei é que nada posso?


O conforto de fugir e esquecer
de dar à vontade direção alísia
soprando chamas de um outro ser
no ser presente em pura física.


Seria esta a resposta da esfinge
posta sobre a sombra do meu acaso
a arma contra a fera que finge
recusar o desejo e o abraço.

* Poema escrito em 1985


Crédito da imagem: 
https://pt.depositphotos.com/38001411/stock-photo-fever-heat-calls-for-measures.html 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 29/11/2018
Alterado em 29/11/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários