Textos


Embora denso o muro eu o devasso
eu habilmente passo, pela sua transparência
tão evidente às mentiras milenares, e o devasso
atiro pedras contra sua consistência
duvido decisivamente da sua decência.

Mas o muro foi por muitos levantado
foi ecoado pelos cantos por vozes desmembradas
antes matar a liberdade de fome, saudar pesadelos
antes acreditar no antes e desdenhar começos.

O muro se ergue à minha frente e eis-me rendido
justo em um mês de outubro, em outro sentido
as flores que plantei murcharam em desalento.
Meu passaporte me espreita a todo momento
e em minha boca um canto amargo de cigarra
anuncia infértil a chuva que não virá.

Em outubro de 2018 algo de tão modo indefinivel
porque belo, saudável, alegre, possível,
varrido foi para sob o tapete da prepotência.

Em outubro de 2018 eu ainda encaro o muro 
como aquele chinês diante do apocaliptíco tanque...
e não recuarei, mesmo que cansado, ainda que doente
porque sou poeta, mas acima de tudo gente.
 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 23/10/2018
Alterado em 23/10/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários