Textos


Tem lá no fundo nos afundados de mim
um pavão mysterioso
que me provoca nas noites sem fim
muitas histórias a contar...
 
Não sou mais moleque
nem mestre de saveiros a navegar...
muita coisa inda quero rimar
botar a alma pra fora, anunciar...
a poesia que me persegue
feito cachaça de rei
amo ser aquele que de mim escapa
quando não vejo e nem sei.
 
Porque cantar, poetar
neste mundo tão órfão de alumiação
é mote que deixaram pros malucos
pros santos e pros sãos.
 

 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 25/05/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários