Textos



                                         Para Sylvana, Davi, Ana Cláudia e Ricardo.


Era a praça estendida ante o olhar feito tapete milenar
concha que engole o sol frio que nos espia
a regar os lábios com a água fresca da fonte
a mesma boca divina que é a voz de Roma...

Era um fim de tarde e o passo era lento, 
sem compromisso e nem ambição...
uma mulher súbita agita véus coloridos
no balanço ritmado de braços e mãos...

Noutro lado da praça o palhaço se faz de sombra
daqueles que atravessam o cenário eternizado
na certeza dos milênios que nos acariciam...
Pede aos gritos un bambino normale
para com ele reinventar medieval palhaçada...

A alma italiana que é velha e se recusa
a envelhecer
assombra como princesa abençoada a tarde 
no palco escancarado do Trastevere...
Dói apenas a brevidade deste instantâneo
a incerteza de depois ainda ser
mais uma pedra em Trastevere
quando enfim anoitecer.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 15/03/2018
Alterado em 23/04/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários