Textos


O gramado é verde esmeralda, céu dos estádios
arquibancadas cheias, sonhos de tantos
no grito que saúda o drible
a emoção suspensa na cobrança da falta...
Queria estar lá dentro
ser eu o furacão e a finta,
meu o pé do passe mais que perfeito...
Mas não sou Pelé
que pena!
não tenho sangue negro...


E que dizer da harmonia incandescente
de um sax dolente, cortante
na tarde que chove lembranças
da noite em que nos apaixonamos?
Queria ser eu a improvisar devaneios,
à caça da mítica nota pulsante, sempre mais adiante
Mas não sou Charlie Parker
que lástima!
falta-me sangue negro...


E a voz tonitruante e cálida
a cantar Minas e tantos mesmos Brasis
nesta travessia do que se espera e se pode existir.
Não tenho esta voz, missão
barroca, moderna, amante, sincera
pois não sou Milton Nascimento 
(quem dera!).

E na Bahia de onde vim (e sempre volto)
a refazenda dos mistérios é sempre solar
mesmo para quem não tem fé
e, descrente, não sabe e nem viu
eu rezo uma oração temente
pois não sou Gilberto Gil.

E se me perturba a prisão do homem que sente
na pele d'alma (a que importa) a fechadura implacável
de mil álibis e seculares portas
falta-me o engenho de saber delas
o manejo da coragem intrépida
Mas, que fazer?
Não sou Nelson Mandela...

Falta-me aquilo tudo que digo
e vejo o mundo a desmoronar em equívocos
Ergo o braço, a clava, a poesia é porvir
sou branco, colonizador, também escravo
sou o irmão mais novo de Zumbi.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 04/12/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários