Textos


Sobre o vale translúcido da primavera
Eu abri uma janela
E meus olhos se encheram de toda estação.
 
E não houve voz que me afastasse
daquela paisagem a me redesenhar razão
pois a essência da primavera presente
em verde folha, luz e flor, era espanto coração.
 
Eu tenho em mim primaveras esquecidas
não há quem guarde na lembrança em movimento
a estação exata que sonharia reviver...
Qual dentre tantas foi minha primavera mais bela?
Relembrando... não sei dizer.
 
Foi por isto que criei a mental aquarela
eu mesmo, a paisagem, a janela...
e assim por lá fiquei, não mesmo eu, mas outro
que é a própria primavera em raiz e semente
aquele outro que me desafia e me pressente.

 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 11/10/2017
Alterado em 11/10/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários