Textos


Vou aos poucos plantando
no pequenino jardim da memória
flores vulgares, mas resistentes
que lembram sempre e a todo instante
o sublime exercício de plantar.

Não planto porque miro outros dias
voracidades dos amantes do futuro...
a mim basta o picadeiro em festa
que adivinho do outro lado do muro.

Pois esta a suma do desafio
a dispensar arengas de imortalidade...
ser flor quando não se entende quase nada
ser parque entre o cinzento da cidade.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 07/08/2017
Alterado em 07/08/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários