Textos


     Então era outra daquelas reuniões entre amigos que passou a ser mais do que várias rodadas de cerveja. Alguém sugeriu conversas sobre temas fixos. Uma estupidez, foi minha primeira impressão. Neste novo formato reunimo-nos para falar sobre a nova Constituição, depois sobre nossas próximas férias e hoje o assunto era: fale sobre seu pai.
     Melhor que Zeca, meu filho de nove anos, comparecesse em meu lugar. Ele tem uma lista de coisas legais a dizer sobre mim principalmente depois da bicicleta nova. Mas Zeca não bebe cerveja. Sobrou mesmo para o papai aqui. E o papai aqui quase não lembra do próprio pai, que morreu quando eu tinha sete anos.
     Mas na hora H lembrei que vó Célia sempre repetia orgulhosa, anos depois de meu pai ter morrido:
     - Seu pai lutou na guerra!
     Não tive dúvidas. Falei da participação heroica de meu pai, os perigos que enfrentou e as vidas que salvou, enquanto escapava de bombardeios, cargas de infantaria e toda sorte de misérias. Estiquei a lacônica lembrança de vó Célia feito chiclete e o resultado foi espantoso. Eu me tornei o grande sucesso da noite; eu e o meu heroico pai.
     Envergonhado pelo meu exagero – para não dizer mentira – fui o primeiro a me despedir. Já ia separando minha parte na conta quando um senhor idoso, que estava sentado em uma mesa próxima, aproximou-se e perguntou com a voz embargada;
     - Você é o filho do Candinho?
     Confirmei com um frio na barriga. Ele me deu um abraço forte, algo inesperado em alguém daquela idade.
     - Seu pai foi um herói! Disse com os olhos umedecidos.
     Então sentou em nossa mesa e contou histórias que acreditei impossíveis de terem sido vividas por meu pai. No fundo da minha mente, vó Célia ria, divertida, e me recordava, como se puxasse minha orelha:
     - Não te disse? Seu pai lutou na guerra! 

 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 10/04/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários