Textos


     Anos de ensino agora em uma caixa de lembranças. Fotos, cartas, recortes. Altair só voltou a pôr os olhos nela por causa da mudança. Ia viver em uma cidade menor, sem planos nem expectativas. Aos setenta anos, a velocidade destas ilusões diminui.
     A caixa tinha colado em sua superfície coisas que remetiam a uma época esquecida. Fotos da seleção brasileira de 1970, uma em que Pelé, de braços erguidos, comemorava outro gol. Outra dos Beatles olhando para o infinito parecendo surpresos consigo mesmos por serem os Beatles. Naquele tempo, o espanto ainda era possível.
     Sentou-se no chão do quartinho e começou a remexer o passado amontoado. Então encontrou a poesia. O título era Maravilha e seus olhos se estreitaram diante das apagadas linhas dos versos, a tinta da Olivetti afirmando o peso das décadas. A poesia que fizera para uma colega, Beatriz, que o chamava de mestre quando se cruzavam nos corredores da escola. Beatriz nunca soube da poesia e nem do frio que percorria a espinha de Altair sempre que a via.
    Ele sonhara um mundo ideal onde eles resgatariam a perda de Dante. Um idílio perfeito onde seriam a personificação de um amor sem jaça. Mas a verdade é que ele fora covarde e jamais tivera coragem de dizer a Beatriz que a imaginava uma maravilha.
     Fechou a caixa. Não havia mais tempo para reconstruções. Jogaria fora aquele tormento de papel. Saiu do quartinho e voltou para a sala. Olhou o relógio no aparador de mogno e viu que passava do meio dia. Hora do almoço. Foi ao quarto e trouxe para a sala a esposa, em uma cadeira de rodas, a mulher com quem dividira os últimos quarenta anos, mas que agora era incapaz de lhe dirigir uma só palavra, sequer reconhece-lo.
    Olhou para os cabelos brancos de Beatriz e acariciou-os lentamente. Não, ela se enganara. Ele não era e nem nunca fora um mestre.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 30/03/2017
Alterado em 30/03/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários