Textos


Lembro de certo domingo
Sinto ainda as mãos suaves entre as minhas
A segurar as horas escoando como areia
E sinto que o futuro
Não me reserva outro domingo igual.

Que assim seja!
Não me importo, não estou triste
Posso afirmar com tranquilidade clinical...
Aquele domingo é evidência que persiste
Boa nova entre as manchetes de um jornal.

Não sofrerei se o tempo turvar a luz
O azul dos olhos seus brilhará pelas curvas do seguir...
E ficará sempre aquele domingo
Como uma cruz a encimar
O templo do que um dia eu fui.


* Poema escrito em 1996.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 09/02/2017
Alterado em 04/07/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários