Textos




                         Para Sylvana, que me falou do silêncio.

O silêncio no poeta
É a partícula mínima da distância
Entre sentir e não falar...
O poeta se cala pelo óbvio de ser
Solitário
No rio dos dias e semanas sem razão.
 
A poesia precisa de terra
É uva rara, matéria de Pinot Noir
Sua essência de vinho que embriaga
Sua força de chuva que exala
Tantas e tantas primaveras
Não floresce na incerteza do ar...


O ar é casa dos raios, abrigo de falcões
A poesia rapina a alma
Fertiliza emoções...
 
Eu, poeta por vezes cansado
De mãos calejadas a mirar o vazio
Almejo por um poema outro
Que me faça reencontrar...
 
Não o que perdi
Porque perdido tudo há de estar
Mas sim o que pulsa e existe
No pouco que inda posso acreditar. 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 27/10/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários