Textos


Quando éramos crianças, eu, Marta e Chico brincávamos sempre no Monte Azul. Era chamado assim porque, desde a cidade, aquele monte arredondado em forma de pão, tinha sempre um estranho tom azulado, que o fazia parecer ainda mais alto, misturado ao céu.
Marta foi a primeira a ir embora. Chorou muito quando seus pais decidiram se mudar para a capital e, abraçada a nós, perguntou se iriamos tomar conta do Monte Azul. Também chorando, prometemos que sim.
Depois foi a vez de Chico partir. O avô dele, homem seco e sério, veio busca-lo depois que a mãe dele morreu. Nem deu tempo da gente se despedir. De manhã cedinho, da janela do meu quarto, vi o carro preto sumir para além do Monte Azul.
Meus filhos gostam de brincar no Monte Azul. N´último domingo, ao leva-los até lá, sentei um pouco afastado e gritei, sei lá porque: Marta! Chico!
O eco trouxe os nomes de volta, o mesmo eco de antes, do tempo em que eu gritava com meus amigos, saudando a imensidão vazia; só a voz era outra, adulta, pesada, arrepiada de desilusões. Mas de repente o eco que se partiu e uma voz doce, alheia ao tempo e às idades, saltou de dentro dele, imensa flor: você cumpriu a promessa.
Olhei em volta e só vi os meninos, longe em suas brincadeiras, envolvidos pelo silêncio cheio de vozes e de segredos do Monte Azul. 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 06/06/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários