Textos


Penso que o pinheiro ficaria bem no canto direito da sala.

Mamãe pergunta: e no topo, a estrela dourada ou um olaço vermelho?

Gosto também do som cavo, compassado, do antigo piano. Prefiro a estrela, lembrei de responder a mamãe, mas ela já se fora. A estrela porque faz lembrar o céu. Jesus nos olha lá do céu, dizia minha avó, que sabia tocar o piano agora mudo.

O Natal é amanhã. Parece que é amanhã, embora eu não sinta o cheiro inconfundível das comidas no ar. Não sinto mais nada, a não ser um peso sobre as pálpebras, que me faz dormir mais cedo do que o costume. Bobagem! É mesmo Natal. Basta ver o pinheiro no canto da sala. Papai e mamãe são muito atentos às pequenas coisas.

Que pena que não vou chegar a tempo para a ceia, para os presentes. Eu tive, quando criança, uma bicicleta vermelha. Se pudesse, montaria nela e de novo cruzaria a rua de um lado para o outro, o rosto afogueado pela alegria e pela meninice. Quero cantar uma canção, ao menos uma, quando acenderem as luzes na árvore e o som de todas as vozes se tornar um só.

Penso que ficaria bem longe deste lugar vazio, cheio de retratos enormes de gente que não me diz nada; ficaria perfeito no canto direito da sala, ao lado do pinheiro.

A estrela, mamãe, Jesus mora no céu, eu quero a estrela
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 30/05/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários