Textos


No esvoaçar das saias negras
no ir e vir do tempo, triste descompasso
tu danças ante meus olhos
e tanto faz se é noite ou dia
danças a dança eterna d’Andaluzia.
 
Vejo-te deslizar pelas terras de Espanha
imaginadas no abraço que não te dou
És bela e doce como vinho proibido
dançarina das danças em que não sou.
 
Mas eu bem que seria teu par
fosse possível dizer-lhe deste fascínio calado
Flamenca, cujo nome guardo
sob o bater das castanholas apaixonadas...
 
Dance e nunca cesse
de reencantar o encanto semeado
pelas colinas de La Mancha
Pois amo-te em silêncio renovado
dança, pois, dança...  
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 24/05/2016
Alterado em 25/05/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários