Textos


Percebo em mim uma idéia que não é...
Adivinho uma obra que não existe
E nem tem porque existir...
Estou como quem vive em retiro
Entre brumas de montanhas, em exílio
E não se recorda de si e nem dos outros.
 
Mas mesmo nestes ermos do não ser
Vislumbro ao meu redor uma sombra vaga
Um vulto, uma desgarrada alma
A exigir-me o poema que embranquece
No conforto exangue do meu não querer...
 
Andamos assombrados
Pelos que morreram e são tantos...
Conta-se que são quatorze mortos para um só vivo
Melhor não seria se todos
Se considerassem mortos e fizessem as pazes?
                               (ou vivos, enfim, quem sabe?)
 
Este terror surdo da transitoriedade
Este saber-se morto enquanto vivo
Ou vivo enquanto morto
É o que nos angustia e espanta
Posto que envelhecemos e nos calamos
Posto que não seremos sempre criança.
 
E o poema branco em papel virgem
Sem que semeada seja a voz do poeta
É o que mais se parece com a vida
                               (ou a desvida).
 
É a obra feita livre
O sideral silêncio do assombro.
 
O poema branco é obra indivisa
É meu, é teu, é de toda alma que pressente
Que a vida não deixa rastros
E nem se vangloria de ser vida.   
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 06/01/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários