Textos


Nunca dei muita atenção ao fato de que minhas vizinhas que moravam no outro apartamento em meu andar – décimo segundo, porque gosto de alturas e não tenho fobias – chamavam-se, todas, Teresa.
Também achei mais do que natural que, com a extraordinária convivência que dividíamos no saguão que separava nossos apartamentos e o tempo divertidamente gasto nas fantásticas expedições do elevador até o térreo – ou até a garagem, o que nos brindava com um tempo extra – eu acabasse me apaixonando por Teresa, que, a rigor, era apenas uma das Teresas entre as três Teresas.
Depois foi quase intuitivo que uma delas me chamasse à parte, para conversar sinceramente sobre os problemas de Teresa – quer dizer, a Teresa por quem eu estava apaixonado – e alertar-me sobre seu caráter inconstante e nervoso, pouco afeito a demonstrações de carinho. Ouvi tudo muito seriamente. E continuei apaixonado.
Depois decidimos nos desapaixonar. A minha Teresa tornou-se ainda mais interessante, sempre com algo bom a me dizer quando dos nossos encontros pelos insondáveis recantos do prédio. A outra – a fofoqueira – anunciou que iria fazer um curso de gastronomia em Tóquio e que em breve partiria em direção ao sol nascente.
A terceira Teresa era de fato singular. Quase nunca saía do apartamento e, certo dia, quando a vi parada no saguão, encarando ora a porta de madeira cor creme do elevador, ora o vão das escadas, cumprimentei-a com um sorriso simpático que a fez superar sua indecisão e disparar escada abaixo.
Fomos vizinhos por alguns anos até que um dia o apartamento ficou vazio. Perguntei ao porteiro o que havia acontecido com as Teresas. Ele me disse que Teresa – minha ex-musa – fora para Tóquio fazer um curso de gastronomia, que a outra Teresa – a fofoqueira – casara-se com um sujeito mal encarado e nervoso – segundo o gentil Duarte, o porteiro – e a terceira Teresa, bem, esta desaparecera certa noite para nunca mais aparecer.
Perguntei se as outras haviam dado queixa do desaparecimento. Duarte ergueu os ombros e disse, meio sem convicção:
- Acho que não. Sei lá... Tive a impressão de que para elas era só uma Teresa a menos.  
 
 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 10/11/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários