Textos


Tão pouco o tempo que nos restou
Depois de tudo que acreditamos
Depois de tudo o que mentimos
Sendo sempre rebeldes meninos
Tristes criaturas de arrabalde...

E nem nos damos conta
Desta invencível decadência
Desta crônica desidratação do amor...

Eu almejo por um refúgio
Paradoxo da ilha pensada deserta
Insulada por infindável mar...

Tão pouco o tempo que nos resta
Que pela estreita e inútil fresta
Da janela da sensação
Estendo a mão incerta
Sabendo de antemão
Que já não remanesce
Nem a fé
E nem a festa.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 02/09/2015
Alterado em 02/09/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários