Textos


Mãe...
Escrevo-lhe esta carta em pedaços
Quem sabe, em versos...
Porque hoje seria meu aniversário
Mas neste mundo, reverso...
Nada é mais como antes...
 
Mãe, este dia tão vulgar
Já não faz sua voz um tom mais alta
Seus olhos em espanto brilhar...
Seu menino já não habita a mente que o amava
Seu menino hoje não mais está
Nem em você nem em nenhum lugar.
 

Não vou cantar parabéns
Porque perdido o sentido
Do cantar.
Mãe - abraça-me em sua dor
Seu nebuloso navegar...
E conduz-me para bem longe
De onde não quero estar.
 
Talvez um dia este vazio se amenize
E me seja dado aceitar o repetido crime
Que nos violenta incessante
Entre o dormir e o despertar...
 
Mas não será fácil, mãe...
Entender a violência sem  sua mão pequena
A reger sinfonias de esperança
A me fazer forte e acreditar...
 
Que sou o bambino feito homem
O mapa que desenhado com capricho
Conduz a mim mesmo ao tesouro...
 
Que não rebrilha oculto, fútil ouro
Mas que espera, na alma escondido
O grito feliz do menino
Feito homem e feito filho.

 
Descansa, mãe, eu velo seu sofrer
Em plácida tristeza e resistência...
Reza por mim, mãe...
Por minha essencial essência
E seja por mim, sempre
Na saúde e na doença.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 10/08/2015
Alterado em 10/08/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários