Textos


Percepção de que sou
Algo a marginar o tempo corrente
Pouco mais que vulto irrelevante
Que seguindo, segue um curso inconstante
Sombra indistinta ao sol poente.
 
E tudo o que há ignora-me sem cerimônia
O amargo desta ferida, sem amparo
A me exigir percepção quase divina...
 
Para que eu possa me libertar
Das contingências das esquinas...
Mundo que passa e em que não estou.
 

Passa e passará apesar de mim
De tudo que penso e julgo que sou

Mas eis que o que acredito ser
Não é e nem sou
Porque era, mas já passou.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 24/06/2015
Alterado em 06/07/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários