Textos


Foram-se os anéis
E os dedos também
Agora resta o vazio dos olhos
Já que os olhos
Espelhos
Já não brilham e não veem.
 
Foram-se dias e anos
Desperdiçados no ralo da inação
Como pode uma vida
Que não vive e nem se agita
Respirar interdita
O ar que em torno fervilha?

 
A vida agora é assunto dos que passam
Fazendo piruetas, cheios de graça...
A alma encolhida espreita e não acha
Casa.
Foram-se os anéis, os dedos e a alma
Até que aos poucos não restasse
Nada.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 15/05/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários