Textos


Ando sempre fechando todas as portas
Cauteloso e irritado
Não temo a indiscrição dos ladrões
                Estes nada podem me roubar
Apavoro-me ante o vulto de velhos conhecidos
                Gente igual, repetida
Dispostas a inconfidências aborrecidas.
 
Ando driblando esquinas, mergulhando nos metrôs
Meu destino sempre a última estação
Disperso por fim esqueço-me de mim
                Chamo-me de nomes que nunca ouvi
E que logo esqueço depois de espirrar (sou alérgico, desde pequeno).
 
 Estou enfastiado, eis o truque que este poema
                Despropositado e monótono
Pretende disfarçar (mas não disfarça, poema
                realidade).
Não me interessa a verdade nem a mentira
A versão nem a explicação
E assim não me interessa o poema (inconformado em seguir
       minhas tortuosas intenções).
 
Já nada me interessa - eis a conclusão!
A não ser, quem sabe, um livro a ser escrito
Ou uma cidade a ser visitada – boa ideia!
Mas um livro e uma cidade (terão ambos o mesmo nome?)
Estão dispersos na neblina e o meu cansaço
                É enorme como o sol que não vem.

Melhor ficar entocado, sem nada planejado
Xingando os que conheço e os que nunca vi
Estou irremediavelmente perdido e achado
Na suma concreta deste desprezo adocicado.
 
Vou ter, isto sim, dezenas de filhos
E deixar de ser aquele que se debate em mim.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 04/02/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários