Textos


Ando vadeando entre minhas pernas
Meu caminhar arrastado reescreve
Nas pedras das calçadas, a vida breve
Apagada nas cinzas dos cigarros.


Tenho tossido, sentido dores nas costas
E carrego nas mãos a fotografia
Morta
Da época em que o céu riscava cadentes
E quando ainda soprava
Razão
Por entre as gentes.

Ando pensando em raptar-me
Olvidar família, trabalho, lugar
Desaparecer feito nuvem de verão.


Quero libertar-me desta bagagem
Que vem desde muito me encurvando a espinha
                               Dolorida feito dente malato
Quero escapar deste drama, deste ato

Tornar-me personagem de esquina.

Pois bem o sei, doce menina
Cujo rosto e cheiro não posso antever
Que ainda me aguardas em alguma cidade
                               Mítica filha de Platão
E serás em mim a explicação
Do que não se explica nem há razão.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 03/02/2015
Alterado em 03/02/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários