Textos


No bolso do paletó abandonado
Insólito traje de dias passados
Um poema respira, abafado
Disforme
Amarrotado...
 
Amarelada folha de papel
Rios de letras negras, caligrafia
Esboçando do nada, a poesia
Caminho das Índias
Perdidas nos mapas de quem fui.

 
Já nem lembro qual descoberta
As linhas e rimas
Ora mortas
Sonhavam apontar...
Quiça puro ouro, sorrisos
De musas exatas, despertar....
 
O paletó já não me serve
Puído e sem cor, exangue
Na teia do tecido que repousa...
No fundo do bolso, traiçoeiro
O poema escorpião
Que crava ainda o veneno atrasado
No mesmo mortificado coração.
 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 14/08/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários