Textos


Meu firmamento inventado
Em dias passados, insones
Transmudou-se inteiro na melancolia
Do riso que desdenha a alegria
No sorriso que sorri e some...

E todos falam das estrelas...
Insistente beleza
Mas meu torcicolo ancestral impede
Meu rosto de mirar o céu...

Assim, ao diabo as estrelas!
Pois, ilhado por tanta besteira
Enrijeço em amara fraqueza 
Escuridão e cegueira.

Eu até achava que valia a pena
Viver a vida com alegria de passante
Mas descobri, cedo, a âncora presente
No oceano que nos deram a navegar...

Não me faço mais ao largo
Galeão destorcido e encalhado
Vou me desfazer ao sol e ao luar...
 
E as estrelas, as que deviam me animar
Fugiram e foram morar
Onde eu não existo
Não sou e nem posso estar..      
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 31/07/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários