Textos


Seus olhos, minha senhora
Quarto escuro
Escuro quarto
Onde vegeta a sua memória
Os anos se apagando como fogueiras
Abrandadas pela chuva da idade.

E eu a vasculhar sombras
A entreabrir portas, mãos estendidas
Buscando em si a centelha
A mesma desejada vida
Que vivias quando jovem e sã.

Mas eis que me dizes algo sem sentido
Eis que seus olhos vagam, interditos
Pela névoa que o tempo acumulou...

Já não sabe que sou sequer seu amigo
Seu porto seguro
Seu anjo de guarda, também sofrido
Pelas intempéries que castigam todo amor.

E respondo a suas iras, seus lamentos
Com a docilidade dos impotentes...
Vago em seu quarto escuro, decidido
A trazer-lhe a luz da fé latente

Confia sempre em mim
E embora cegos
Vamos em frente! 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 05/06/2014
Alterado em 05/06/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (ww.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários