Textos


Saudade, por favor, não volte
A acinzentar a rima
Dos versos a nascer, por certo
Sementes de uma nova estima.

Saudade, escute, ficas bem quieta
Nas latitudes perversas do teu Equador
Que na minha geografia já basta
Tanta agonia e tanta dor.

Agora tenho um suspiro renovado
Que se enrosca em minhas pernas
A andar...
Não, saudade, o tempo das tormentas acabado
Já não te resta aqui nenhum lugar.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 27/02/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários