Textos


No céu branco da memória
Seu rosto de mulher-demônio
Se insculpiu
No céu anódino da História
O sol, a lua
Ninguém sabe, ninguém viu.

Não é céu onde astros
Gravitam em universal sintonia
Horizonte fidelissímo ao mar...
É céu de caóticas lembranças
Que minha árida garganta quer vomitar.

É o castigo que se traveste em memória
O que nos segue enquanto a vida vai...
Seu rosto me persegue
Eu o combato
Em batalha sem honra e sem paz.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 04/02/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários