Textos


Quando cheguei  em casa e vi as luzes, liguei imediatamente para minha secretária. Depois de três toques, a secretária – a eletrônica – pediu-me que deixasse uma mensagem. Não deixei. Não adiantaria. Eu precisava da secretária de carne e osso, real, para me explicar o que significava aquelas luzes.

Fiquei desconcertado. As luzes me espreitavam de um canto da sala, arranhando a penumbra sempre bem vinda da minha sala de estar, com cintilações de vermelho, azul e verde. Eu podia estar correndo sério risco caso me adiantasse e enfrentasse aqueles brilhos inexplicáveis assim, sem o menor esclarecimento, de peito aberto.

Deslizei até a cozinha para chamar a portaria pelo interfone. Se algo de diferente acontecera no prédio, os porteiros deviam saber. O porteiro me atendeu aborrecido por ter, talvez, sido interrompido em alguma tarefa inadiável – como ler as páginas de esporte do jornal ou falar da vida de um condômino com algum outro condômino – e me disse que ninguém me procurara e ninguém, também, subira ao meu apartamento, o que, lembrou-me ele com absoluta segurança profissional, não seria possível pela simples razão de que eu não me encontrava em casa.

A situação assim agravou-se e eu já não contava com mais nenhum recurso para me prevenir. Tinha que enfrentar aquilo fosse lá o que fosse.
Abri uma gaveta da cozinha, saquei de lá uma faca e com o corpo tenso, em guarda, voltei para a sala, pronto a abater ou ser abatido pela criatura por detrás daquelas luzes apavorantes.

Decidi entrar na sala de um salto; já vira no cinema que o tal elemento surpresa é fundamental em uma guerra. Ademais, eu conhecia o território melhor do que qualquer outro, afinal já morava ali fazia dez anos.

Com um grito rouco e a faca erguida, saltei contra meu desconhecido inimigo
.
No canto da sala, uma árvore de natal com enfeites e luzes me devolveu o grito de batalha. As luzes; um enorme pisca-pisca que se enroscava entre os galhos verdes do pinheiro. Vermelho, verde, azul. E agora se refletiam, também, na lâmina prateada da injustificável faca.

Baixei a intrépida arma e depois de minutos de estupor absoluto sentei-me em uma poltrona, do outro lado da árvore cintilante. A poltrona era confortável; e assim o tempo foi passando, passando, a noite tornou-se madrugada e eu, pela primeira vez, senti-me absorvido pelo silêncio e que alguém, tão tangível quanto o líquido reflexo daquelas pequenas luzes, acompanhava-me naquela noite inesperada.   
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 14/12/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários