Textos


O que faço
Com as tolices acumuladas
As palavras encadeadas
Em décadas de razão
Sem qualquer razão?

O que faço
Com a onipotência de Deus
Que o catecismo
A comunhão
Nos ensinam, em pura perda
Ser o caminho e a redenção?

O que faço
Com as mulheres amadas
Passadas
As mal amadas
Retornadas
O que faço
Com minha frieza
Meu querer estar e ser só?

Tendo a menor chance
Enfio tudo no porão
Da mansão dos meus avós...
Que, por sinal, jamais tiveram uma mansão
Nem porão.

Porrtanto, entregue a mim mesmo
Nesta ausência de ancestrais
Indago:
O que faço
Quando o lixo me afogar
No mar do hoje e do amanhã?

Aprenda a nadar!
Gritam-me de longe os cínicos
Pois assim o mar se torna veludo
Surdo
Mudo
Recuso-me a escutar.

E me tranco em meu porão
Imaginário
Sem endereço, arquitetura
Solitário
Sem sexo
E sem cigarro.

 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 31/10/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários