Textos


Mais uma vez, quebro
A louça do sentimento
Espalho cacos vida afora
Ensandecido
Insano julgamento.

Por quê embora saiba
Da gangrena que sucede a ferida
Empenho-me, ainda, em dura batalha
Centelha
Que seria minha própria vida?

Talvez seja esta covardia pálida
Este vomitar, decadente dragão
Que faça vencer sempre
A insensibilidade
Gêmea perversa da razão...

O que sei é que na alma, eu amo
E reclamo o amor que não sei cultivar
Agricultor egoísta
Semeio enganos
Na terra que nunca soube arar. 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 27/05/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo e o site www.alexandregazineo.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários