Textos


Hoje nada de novo acontecerá
A ser exato
Novo é mero adjetivo
Na verdade, nada acontecerá!

Meus caminhos pós alvorada
Serão os mesmos, plasmados
Esquinas decoradas com rigor
Ah! Melhor não acordar.

Terei meia dúzia de problemas
Sobre a mesa de trabalho, adormecidos
Dragões domesticados, mas letais
Quem se importará se eu
Desaparecer
Engolfado em suas chamas medievais?

Não fosse pelo crachá
Eu nem existiria...
Seria sempre o menino ilusório da minha mãe
O marido conveniente da minha não-esposa
Burocrata perfumado com essências de avelãs.

Não posso esquecer que ganho direito
Vendendo a preço vil a consciência que me restou...
E, pelo mesmo brutal valor
Sorrio e ao final escapo
De volta ao mesmo lugar onde sempre estou.

Não é difícil me achar.
Nesta rotina geograficamente certa
Estou sempre indefeso ante meus caçadores
É preciso não pensar
Há trabalho, sim
Trabalhemos!
Aliviemos por instantes
Nossas mais íntimas dores.

A orquestra do mundo nos dá um lar
No qual, patéticos e satisfeitos
Nos fazemos ocultar
Intimidade de portas e janelas
Onde só a rotina consegue penetrar.

E eis que o faz - imaginem- sem mandado!
Deus meu! Tamanho desacato...
É preciso protestar!
Mas amanhã, só amanhã
Deixemos ao amanhã os protestos
Amanhã, bem cedo, depois de acordar...

Mas, de novo, nada de novo acontecerá
Para ser exato novo é adjetivo
Nada me acontecerá!
Os caminhos pós alvorada
Serão de novo os mesmos
As esquinas decoradas com pavor
Melhor não acordar.




alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 09/05/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários