Textos


As letras do poema são minhas pedras
Com as quais abato
O gigante filisteu...
Enquanto em mim renasce e medra
O mesmissímo ser que nomino: eu!

Eu, que existo pela coincidência absurda
De gens e cromossomos acidentais
Produto de uma fecundação surda
Sob cobertas de profundidades abissais.

E fui eu quem, um dia
Emergiu desta cacofonia
Envolto na placenta
De uma infância indesejada
A suportar anos de agonia
Ilusão de vida, em cada morte antecipada.

alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 26/04/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários