Textos


Depois de longa doença Sakagek morreu. Joveh, seu único filho, cuidou das exéquias. Poucos vieram ao funeral; Sakagek, idoso e pobre, tinha poucos amigos. Mas os que compareceram eram sinceros, como Ouraphe, o ceramista, que finda a cremação do corpo, deu a Joveh uma bela e delicada urna de cerâmica ornamentada com altos relevos de aves em pleno voo. Ao ver os desenhos, Joveh pensou na alma do pai, enfim livre do corpo e agora voando ao encontro dos Redentores.

‘Esta urna guardará as cinzas de seu pai. ’ – disse Ouraphe, com emoção.

Na manhã seguinte, ao raiar do sol,  Joveh iniciou a jornada aos Montes So’Dhan aonde seu pai pedira fossem espalhadas suas cinzas. A viagem duraria todo o dia, mas Joveh, embora assolado pela tristeza, sentia-se bem disposto quando começou a longa caminhada.

Joveh levava a urna nas mãos com cuidado. A manhã estava esplendorosa e a paisagem à sua volta era magnífica; primeiro, as águas caudalosas do Rio Zuteh e a antiga ponte de junco que o cruzava a uma altura que permitia se apreciasse o trovejar da corrente quebrando-se contra as pedras do leito. Depois, as trilhas dos bosques do Norte, e a brisa incessante, ora mais forte, ora mais breve, que vadeava entre os ciprestes, plátanos e olmos. Pelo meio do dia, alcançavam-se as margens do Lago Durok, com suas águas azuis e reluzentes, e um silêncio tamanho que parecia que o mundo inteiro se comprimira entre o céu banhado pelo sol e a superfície tranquila das águas. Ali, Joveh descansou, fez uma refeição frugal, encheu o cantil com água fresca e seguiu viagem.

Durante a caminhada, a recordação da voz e das expressões de Sakagek o acompanhou. Lembrou-se de quando pescavam no lago Durok, o pai empenhado em ensinar-lhe as artimanhas dos peixes mais saborosos, ou quando caçavam cervos e perdizes no bosque, sempre acompanhados pelo vento, que soprava entre as ramagens, em doces assovios.

‘É a voz dos ancestrais!’ – dizia Sagarek, sorrindo – ‘Eles vivem no vento. ’.

Agora o dia chegava ao fim e com ele a jornada. Poucos metros separavam Joveh do cume dos Montes So’Dhan. Ao sentar-se em uma pedra que lembrava um altar, Joveh abriu a urna e preparou-se para prestar uma homenagem final ao pai que tanto amara. Para sua surpresa e horror a bela urna estava vazia! Nem um só dedal das cinzas de Sagarek restara para ser lançada aos ventos frios de So’Dhan.

Joveh se perguntava o que poderia ter ocorrido. Em que parte do longo caminho as cinzas se perderam? Sentia-se um tolo, incapaz de cumprir o último desejo do pai.

Foi então que o vento soprou mais forte e Joveh entendeu que Sagarek estava ali, como também estava nas águas do Zuteh, na quietude das margens do Durok. Como se escutasse de novo o riso alegre de Sagarek, misturado ao redemoinho dos ventos cortantes de So’Dhan, Joveh murmurou uma oração e com um arremesso que pôs à prova toda a força do seu braço, atirou a urna no abismo.

As cinzas estavam vivas. A bela prisão quebrada em mil pedaços nos rochedos distantes. E Sagarek a retornar em Joveh, com Joveh, por todo caminho de volta.         

alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 27/04/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários