Textos




Se acaso ouvires
A perpassar pela janela
Um breve ruflar de asas...
Sou eu, a voar em alma
Sobre o ninho que foi nossa casa.

Não te assustes, a noite transcende
A paz do encontro, a vida passada
Que ainda voa, desencontrada
No peso do silêncio
Na ânsia da palavra.

Pois não resta um só poema
Caoaz de refazer a precisa estrada
Nem o amor mal entendido sabe
Como retornar a esperança extraviada.

Acreditei ter a força de gigantes
Senhor de passos continentais
Agora remôo remorsos conflitantes
A fé proclamadanão me vale mais.


Se acaso lembrares dos brancos dias
Riso dourado, rotineira alegria
Estende as mãos, entrega
A semente à mesma terra
Que nos resume e recria.


Inda que tuas sementes
Já não floresçam em meu chão
Guarda o perfume inconfundível
Do jardim incandescente
Do teu e do meu coração.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 26/03/2012
Alterado em 13/06/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo e o site www.alexandregazineo.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários