Textos



Não sei onde estás
Nesta noite que se recusa anoitecer
Se soubesse
Talvez, quem sabe...
Deste silêncio fizesse o poema
Acontecer.

Nada é mais triste que a musa
Quando dos nossos cuidados se vai
Vazio de cidadela morta
Onde não se ouve um só ai.

E a incerteza que me abate o andar
Torpeza de sentidos, ausência de sonhar
Quer em mim a lágrima macerada
Pelas entrelaçadas dores do chorar.

Mas se nem sei para onde olhar
Quando o pranto benfazejo
Resolver me visitar!


Melhor então crer na poesia
Deixar a alma pontuar
A tapeçaria.
As cores do teu ser lá estarão
Rubras gotas
Roubadas ao coração. 

 

alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 19/03/2012
Alterado em 13/06/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo e o site www.alexandregazineo.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários