Textos


Faz tempo que já não sei
Eternamente, acordo para o nada
Cinzento
Das primeiras horas da manhã.
 
E mesmo desperto, não sei
O que me aguarda
O que fazer
Na cegueira que me invade
O vácuo que um dia foi você.
 
Ignorância, ranço atroz
Vida em dogmas repetida
Vida (morte?) sob o sol
Ignorância de tudo
Peixe fisgado no anzol.

alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 06/02/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários