Textos



Deixa a tarde ir
Deixa a tarde seguir
Seu caminho até o crepúsculo...
Que ante este ósculo oculto
Não se erga o espanto da noite.

Ah! Porque é assim a tarde
Este pedaço de tempo que se espreme
Entre a luz primeira, a treva certa
Que nem uma menina incerta
em beijar o primeiro beijo
Mulher.

Eu também sou irmão da tarde
Tão calado em minhas tristezas
Que a mais distante das belezas
É lembrança que embebeda a alma
Pelas praias azuladas da Bahia.

Eu que há tanto vago forasteiro
Faço das tardes o altar derradeiro
Das lágrimas que confesso às estrelas.

Assim é porque não nos é dado voltar
Pelo caminho das fadas
Pelos contos das Mil Noites
As princesas foram banidas
Tantos reinos a derribar
E os olhos pelos quais olhamos
Olham sem enxergar.

Deixa a tarde ir
Deixa a tarde seguir
Porque ao lado dela
Eu também vou...
Desnudo
pobre
Cansado
Embriagado de amor.



alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 16/04/2010
Alterado em 14/01/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários