Textos


ORIGAMIS


Já que não restam mais poemas
Silentes, a se revelar...
Se o silêncio fez morada certa
no oculto endereço do meu sonhar...

Quando o que desejo, é pura sombra
Delineada pelo sol de outono
Sombra inerte, sequer me segue
Na vacilação dos passos e dos enganos.

Se todas as palavras fossem escritas
Na poesia que não ousei criar
Que aflora e me antecede
Muito antes do sol raiar...

E se o verso desse artista rouba
De mim, o olhar da platéia
Que me sonega o relâmpago do olhar...

Resta-me a monotonia da boa alma
O gesto servil de quem quer existir
Porque a morte em vida não é calma
Nem consola o grito que quer ferir.

Se o tempo me driblou, rumo ao gol
E o grito da multidão é sonora vaia
Não fico, não peço, não vou
Testemunhar a derrota do que sou.

E assim transmudo-me em pedra´
Sólida, áspera, sem contemplação
Gasto os dias a pensar...

Vou enrijecendo, velho diamante
E em resposta ao desatino das gentes
Placidamente imagino
Origamis
No imponderável vazio do ar.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 08/04/2010
Alterado em 14/01/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários