Textos



Longe, terra, longe que se esconde
Do canto que te mando e em que chamo
Aqueles anos em que o olhar
Amargo não era, feliz por estar.

Minha terra, longe, de mim ausente
Tua baía me ancora, unge minha alma
Que é espuma de onda, beijo mágico
Sob teu sol, terra azul e tão calma...

Longe, Bahia, tantos te cantaram
E ainda cantam, mesmo quietos,
Dorival, Caetano, Gil
Amado marido de Flor
Estar sem ti é cortejar a dor.

Longe, minha, sempre terra
Nas solas do sapato me acompanha
Embriaga meus olhos, linda,
O castanho das pupilas faz azul
Amaralina onda.

Deixei, terra minha, o coração
No silêncio da Ponta de Humaitá...
Ali fui moço, tanta coragem
Vi os barcos, as moças,
O mar, Monte Serrat.

Terra longe que me visita
No sonho adiado de cada dia
Alto o Olimpo em que definho!
De Todos os Santos, peço
A gota do divino vinho.

Quero voltar, terra minha
Querer que não é real
Não se volta ao que se foi
Perdida estrada sem sinal.

Mas te quero, longe terra
A estender teus encantos
Teus cantos, recantos, santos
Deus cor de anis.
Em ti descubro a palavra
Que me cala
Mas me redime e faz feliz. 

 








alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 09/10/2009
Alterado em 22/03/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários